Skip to content

Desurbanização ou a recuperação de si e da liberdade

Tradução de novaresistencia.org


O artigo abaixo foi escrito há quase três anos, mas me parece que ainda é relevante hoje. Eu o selecionei para meu próximo livro “The Fall from Liberalism to Technocracy. Notes from a dissident under the New World Order”.

19 outubro 2020

Hoje não vou abordar de frente o tema incendiário que assola o mundo inteiro desde março deste ano. Aqueles de vocês que tiveram que entender, já entenderam o que está em jogo nesta operação especial em escala global, envolta em pretextos médicos. E aqueles que falharam em entender toda a história sobre a chamada pandemia, temo que talvez nunca acordem de sua letargia. Continuarei a me referir às causas profundas, que determinaram a eficácia da manipulação e apropriação de povos inteiros em escala planetária. É o desenraizamento, a ruptura com o ambiente natural, a desruralização do mundo em prol do industrialismo, do produtivismo, da concentração e massificação dos despossuídos e proletarizados nas novas aglomerações urbanas. Toda a história económica dos séculos anteriores, associada à era moderna, significou não só a liquidação da tradicional civilização rural, mas também a supressão da independência alimentar, bem como da fé e de todo o sistema axiológico daquele mundo.

Note-se de passagem como os regimes comunistas tanto como os liberais do Ocidente, conseguiram inculcar um desprezo generalizado pela condição do camponês e, ao mesmo tempo, uma admiração incondicional por tudo o que tem a ver com a cidade com toda a sua prerrogativa de civilização supostamente superior. A fuga das aldeias para a cidade espalhou-se pelo globo. Assim surgiu o fenômeno do ódio de si mesmo, da negação da própria identidade social, cultural e religiosa, da obsessão de deixar o passado rural em favor de um futuro urbano. A mente coletiva em todos os continentes é profundamente marcada pela percepção da aldeia como inferior, atrasada, arcaica e, portanto, detestável em relação à cidade. “A ‘religião do progresso’ e o fascínio da cidade nos seduzem irremediavelmente com a ilusão de subir uma escada social mais elevada que proporcione uma ‘autoestima’ exagerada e uma vida mais fácil.

E assim, passo a passo, década a década, de povos com identidade própria fomos nos transformando em massas despersonalizadas. E uma vez que fomos arrebanhados em grandes aglomerações urbanas, nos tornamos uma massa de manobra para os manipuladores nas sombras, para os mestres do dinheiro, para aqueles que atualmente estão nos preparando para o encarceramento permanente em um campo de concentração global sob uma tirania tecnocrática.

Essas reflexões me vieram à mente ao ler um livro do filósofo francês Jean-Claude Michéa, “La double pensée. Retour sur la question libérale” (2008), que é um crítico contundente de todos os excessos do liberalismo cultural, político e econômico , ou seja, o invólucro ideológico que envolve o sistema capitalista. O título é inspirado no termo pensamento duplo de George Orwell, usado em seu famoso romance antiutopia “1984”.

Extraí deste volume apenas algumas linhas, que achei mais apropriadas para o momento crítico que vivemos. Se compreendêssemos toda a dimensão apocalíptica dos tempos de hoje e das terríveis provações que nos esperam, correríamos a toda a velocidade, sem olhar para trás, destas prisões ao ar livre que são as cidades para as aldeias de que nós ou nossos pais deixaram. Então, aqui estão essas linhas desse livro:

Este século será o século da superurbanização total (no sentido de mercantilização total, informatização total, desenraizamento total…). As feiras e as cidades foram relativamente viáveis, humana, histórica e intelectualmente, desde que dependessem das aldeias, da natureza que as rodeava. A superurbanização, no entanto, tende a concentrar as populações ao desvinculá-las de suas bases anteriores (alimentar, biológica, social, histórica, cultural, espiritual…). Poderíamos também chamar isso de grilagem generalizada […]. Você sabe que não tenho receitas mágicas, muito menos programas precisos, mas há de concordar que é imprescindível buscarmos e explorarmos alguns caminhos […]

Para começar, defendamos tudo o que ainda não foi destruído, desfigurado, envenenado, erradicado… Pensemos numa certa recuperação (que será também uma aventura fantástica) a partir do nível local, da sua geografia e da história. O futuro pertence às aldeias, e não às mega-cidades, nem às aldeias adormecidas [ou seja, os subúrbios para onde os citadinos se retiram no final do dia de trabalho – observação minha], menos para recuperar as vilas (muitas delas outrora belas e emancipadoras) e as aldeias, mas para reocupar os espaços e ecossistemas arruinados. (p.188)

Esta citação foi tirada por nosso autor do artigo de outro autor chamado Jean-Pierre Courty.

Em conclusão, convido você a considerar o seguinte. A situação a nível global é desastrosa. Tudo está à beira de desmoronar em um caos generalizado e bem orquestrado. O mundo está caminhando para um colapso econômico total, que gerará desemprego em massa, fome e violência tanto das forças do terror de estado quanto das gangues criminosas que sempre aparecem em tempos difíceis. Uma grande crise alimentar é inevitável. E isso significa fome.

E só os ingênuos ainda convivem com o ontem, na ilusão de que a crise atual é temporária e reversível e que tudo vai mais ou menos voltar ao normal. Mas qualquer interpretação profunda, seja teológica (isso é o mais importante em qualquer circunstância!), geopolítica, política ou econômica, destrói tais ilusões sem apelação.

Grandes sofrimentos e perseguições, cataclismos e desastres de todos os tipos nos aguardam. É por isso que aqueles que querem resistir, lutar por si e por suas famílias, para sobreviver, não têm escolha a não ser assumir a condição de sobreviventes. Não por brincadeiras estúpidas ou para fazer papel de bobo, mas porque não aceitam a condição de gado levado ao matadouro pela máfia globalista e seus cúmplices de governos (anti)nacionais.

Portanto, o lema de toda pessoa sã deveria ser “De volta às aldeias!”

Verdadeiros rebeldes, verdadeiros inconformistas, verdadeiros personagens não serão pisoteados e levados a vacinações forçadas e chipagem coagida.

Agora o trigo está sendo escolhido do joio.


Poza de profil

Iurie Roșca

Jornalista, editor e ativista antiglobalista da República da Moldávia.