Skip to content

O diabo está sempre nos detalhes

Tradução de novaresistencia.org


por Dragana Trifković
|

Boa tarde, queridos participantes do fórum.

Em primeiro lugar, quero agradecer aos organizadores por me convidarem para participar deste fórum tão importante.

Meu nome é Dragana Trifković e dirijo o Center for Geostrategic Studies da Sérvia.

Tentarei apresentar meus pontos de vista sobre temas atuais nos próximos dez a quinze minutos, que estão previstos para apresentação dos participantes.

Vivemos numa época que coisas grandes acontecem, por assim dizer, mudanças tectônicas, que afetarão o mundo em que vivemos, o modo de vida, os hábitos, as relações interpessoais e, em geral, todas as esferas da vida humana. Para não entrarmos numa situação em que sejamos observadores silenciosos desses processos e deixemos o nosso destino nas mãos de pessoas que se autodenominaram para resolver problemas, pelos quais, aliás, são em grande parte responsáveis, devemos envolver-nos ativamente.

Uma das grandes razões pelas quais as pessoas não estão tão envolvidas é que ficam completamente confusas com a quantidade de informação que recebem e que não conseguem interpretar. Na verdade, desinformar as pessoas é um fator paralisante. Portanto, temos que tentar deixar as coisas claras para as pessoas, embora nem sempre seja fácil.

Por exemplo, a Agenda 21, que é o tema deste fórum, é um documento adotado em 1992 na Conferência Internacional da ONU dedicada ao desenvolvimento e ao ambiente. Este documento contém mais de 350 páginas. A Agenda 2030 é um documento adotado na cimeira da ONU em 2015. A Agenda 21 e a Agenda 2030 são, na verdade, um só documento integral, onde a versão 2030 contém mais detalhes sobre a sua implementação e acrescenta 17 novos objetivos de desenvolvimento sustentável. Grande parte do conteúdo de ambos os documentos também está no Grande Reset. Os objetivos destes programas podem ser encontrados: desenvolvimento sustentável, erradicação da pobreza, igualdade de gênero, trabalho digno e crescimento econômico, preservação da biodiversidade, educação de qualidade, etc.

E realmente, à primeira vista, tudo parece uma lista de ótimas coisas. No entanto, o que é preocupante é que tais planos partem das elites tecnocráticas, políticas e empresariais, reunidas em numerosas organizações, que nas últimas décadas levaram à degradação de todos os itens acima, incluindo a educação, depois a uma enorme crise económica, crise política, degradação da instituição do estado e do estado de direito, violações dos direitos humanos, crises de segurança, aumento da pobreza e da estratificação da sociedade, a destruição da classe média e assim por diante… Eu acrescentaria também que Klaus Schwab e o rei Carlos não inspiram nem um pouco de confiança em mim pessoalmente, de que por trás dos planos que promovem escondem intenções altruístas.

Portanto, a primeira coisa que devemos afirmar é que as instituições internacionais que foram criadas após a segunda guerra mundial, como a ONU, a OMS, o Banco Mundial, o FMI, o Fórum Econômico Mundial, o Tribunal Penal Internacional, a Organização Mundial do Comércio e outros, no período da ordem mundial monopolar, ou seja, o domínio absoluto dos Estados Unidos da América, eram corruptos, muitas vezes abusados ​​e que neste sentido perderam o seu propósito original como plataforma independente de diálogo e discussão para resolver problemas mundiais. Estas instituições internacionais, que deveriam ser politicamente independentes, caíram sob a enorme influência dos EUA nas últimas três ou quatro décadas e tornaram-se uma ferramenta na política externa da América ou um expoente do grande capital. A este respeito, quaisquer programas e planos que estejam diretamente relacionados com as organizações mundiais listadas levantam automaticamente suspeitas, se soubermos que estas organizações mundiais são corruptas e abusivas.

Isto significa que, acima de tudo, é extremamente necessário que as organizações internacionais sejam reformadas, se possível, e voltem ao seu propósito original. Além das instituições internacionais, as instituições estatais também enfraqueceram nas últimas décadas. Embora formalmente o Ocidente defenda a política do estado de direito, da democracia e da proteção dos direitos humanos e das liberdades, podemos afirmar que esta política é defendida pelo Ocidente apenas em palavras. Tomemos o exemplo de qualquer país europeu, os que chegam ao poder político geralmente não têm o apoio dos cidadãos, onde as pessoas são privadas de direitos e a censura atinge tais proporções que ultrapassou até as piores ditaduras comunistas. Existem também processos degradantes que levam à destruição da cultura, da história, da tradição e da religião. A confiança dos cidadãos nas instituições estatais está gravemente, e com razão, prejudicada.

Para concluir, as elites globalistas têm manipulado os sistemas governamentais e as finanças da humanidade durante anos, a fim de criar as condições que permitirão um novo começo, ou seja, a “Agenda”. Usaram guerras e crises econômicas para enfraquecer a soberania nacional, ao mesmo tempo que construíam o seu próprio poder através de instituições globais como a ONU, o FMI e outras.

Mas voltemos à Agenda 21 sobre desenvolvimento sustentável. Este termo “desenvolvimento sustentável” é mencionado muitas vezes no documento abrangente. Contudo, para além dos numerosos capítulos relativos à proteção da água, da terra, dos direitos dos trabalhadores, das mulheres, etc., não encontraremos um único capítulo relativo à proteção de um direito humano básico, que é o direito à liberdade. Se tivermos em conta o fato de que, durante a recente pandemia de Covid-19, os direitos das pessoas foram massivamente retirados, desde o direito à livre circulação até à imposição de outras inúmeras restrições, então podemos perguntar com razão por que este documento estratégico global não menciona liberdades humanas, e por que não um único capítulo é dedicado à liberdade?

Como alguém com formação em engenharia diretamente relacionada com a proteção ambiental, posso dizer que o desenvolvimento sustentável parece promissor à primeira vista e que o próprio documento, quando o lemos, parece bastante aceitável até. A simples leitura e interpretação destes documentos exige muita concentração porque a redação é em grande parte generalista, as definições demasiado extensas mas indefinidas até ao fim. Portanto, mesmo um especialista, ao ler a Agenda, não tem ideia de como ela deve ser implementada na prática e o que realmente significa sua implementação.

Porém, como alguém que lida com geopolítica e conhece muitos fatos relacionados a este abrangente tema, posso dizer que é necessário aprofundar os antecedentes e as intenções deste documento. Considerando que sou da Sérvia, posso dizer que temos várias décadas de experiência na interpretação de documentos internacionais na prática, onde as partes contratantes têm percepções completamente diferentes dos acordos celebrados. Em muitos casos, os países ocidentais ignoram mesmo completamente o direito internacional e os acordos existentes e criam ilegalmente uma realidade diferente. Este é o caso da criação separatista do Kosovo, um estado falso que foi criado pelo total desconhecimento, por parte do Ocidente, da Resolução 1244 válida do Conselho de Segurança da ONU.

Citarei Ron Paul, um dos meus políticos e pensadores americanos favoritos que, numa coluna para o portal Eurasia Review, declarou o Grande Reset uma tentativa de expandir o poder do estado e sufocar a liberdade em todo o mundo, segundo um modelo autoritário em que grandes as corporações estariam em parceria com os governos.

Portanto, o respeitado Ron Paul também acredita que a agenda proposta, que é completada pelo Grande Reset, representa uma introdução ao totalitarismo, à abolição das liberdades humanas e à submissão aos interesses das grandes corporações.

A agenda tem certamente um carácter global, pelo que se aplica a todos os países, o que leva a duvidar que se trate de um plano para introduzir uma gestão rigorosa que conduza ao controle total e à vigilância global.

Na minha opinião, é um plano das elites globalistas, que, como afirmamos, já conduziram a uma crise política, económica e de segurança geral, para manterem as suas posições como líderes globais, oferecendo falsas promessas.

Por outro lado, temos um grupo de países que defendem o mundo multipolar e estão reunidos na organização BRICS. É um grupo de grandes estados que podem opor-se às estruturas globalistas e oferecer uma plataforma alternativa para uma nova arquitetura mundial que incluiria a soberania dos estados, as liberdades humanas, o respeito pela diversidade, a preservação da cultura, da história, das tradições, e assim por diante. Se reduzirmos as coisas ao mínimo para uma melhor compreensão, o conflito atual é entre dois sistemas de valores diferentes. No entanto, o que é preocupante é que os países BRICS também incluíram a Agenda 2030 nos seus planos futuros. Na cimeira dos BRICS recentemente realizada na República da África do Sul, os líderes dos estados membros assinaram uma declaração comprometendo-se a reforçar a cooperação a fim de promover a paz, uma ordem internacional mais representativa, um sistema multilateral revivido e reformado, um desenvolvimento sustentável e uma abordagem inclusiva.

Ao mesmo tempo, manifestaram a esperança de que a próxima cimeira da ONU signifique uma oportunidade para renovar o compromisso internacional com a Agenda 2030. No entanto, ao mesmo tempo, na declaração, os BRICS defendem uma reforma abrangente da ONU, o respeito pelo direito internacional, o respeito pelos direitos humanos, condena a política de dois pesos e duas medidas e exige uma distribuição mais justa das quotas no FMI, uma abordagem diferente da Organização Mundial do Comércio em relação aos países subdesenvolvidos, etc. Tais tipos de reformas podem ser uma garantia de que o projeto de desenvolvimento sustentável não pode ser abusado por representantes selecionados dos interesses das grandes corporações. Em qualquer caso, é necessário acompanhar com a máxima atenção os acontecimentos atuais, porque deles dependerá em grande parte o nosso futuro.

É essencial que não permitamos que temas como o desenvolvimento, o progresso, a proteção ambiental e afins sejam mal utilizados, como foi feito com os temas da democracia, da protecção dos direitos humanos e afins. Finalmente, a resistência pode desempenhar um grande papel, se o público conseguir mobilizar-se e não se render às restrições e manipulações.

Obrigado pela sua atenção.


Poza de profil

Dragana Trifković

Diretora Geral do Centro de Estudos Geoestratégicos em Belgrado, Sérvia.